De trem até El Nariz del Diablo



Pólvora, dinamite, cabos e muitos trabalhadores sacrificados foram necessários para se construir a ferrovia que avança nas montanhas andinas do Equador. Em 1901 a magnífica obra de engenharia que construiu 2 km de trilhos em zigue-zague para transpor uma montanha perpendicular conhecida como" El Nido del Condor",  exigiu um trabalho hercúleo e foi considerado a ferrovia  mais difícil do mundo.






Últimos anos do século 19 se deu inicio a um ambicioso projeto de ligar Guayaquil à Quito, no Equador, atravessando a Cordilheira dos Andes. A construção da linha férrea teve inicio no litoral e cerca de 140 km após, em plena Cordilheira, os operários se depararam com um obstáculo quase intransponível, uma ladeira praticamente vertical que de tão difícil mais lembrava o nariz de um demônio. Com perícia, esforço e muitas perdas humanas foi escavado um sinuoso caminho dentro da rocha permitindo ao trem subir cerca de 1000 metros de Sibambe até Alausí. 


O sugestivo nome Nariz del Diablo já indica a possibilidade de fortes emoções. E para quem gosta de viajar de trem nada mais apropriado do que percorrer o trecho que desce de Alausí  até Sibambe à bordo do Tren Crucero do Equador. São apenas 12 km de trilhos, mas todo o percurso de ida e volta gasta aproximadamente 2 horas e meia.



Como fui
Estava em Cuenca e logo cedo da manhã saímos em direção à Alausí. Foram 3 horas de viagem em uma van (tour coletivo) com um guia bilíngue. Passamos por belas paisagens da Cordilheira, em altitudes iguais àquelas das nuvens. 


Em um determinado trecho paramos para observar um senhor preparando um prato típico daquela região: um porco inteiro sendo assado com a chama de um maçarico.

Curvas e subidas em todo o trajeto. Pasto e pequenas cidades à beira da rodovia.


Até chegarmos ao nosso destino, Alausí, onde iríamos embarcar no trem.

Nos 12 km de ferrovia encravados nas montanhas, o trem na sua lenta marcha vai descendo até chegarmos à Sibambe, onde todos descem, é oferecido um lanche e quem quiser, sobe até um centro de informações localizado ao lado da estação. Mas a escadaria não é fácil.



A estação de Sibambe

O confortável trem


Retornamos à estação de Alausí pelo mesmo caminho e é interessante ver o trem ziguezagueando para avançar a alta montanha. valeu a experiência  e ficou o desejo de, um dia, fazer todo o percurso do Tren Crucero de Quito até Guayaquil. Na estação o guia nos forneceu o lunch box e dali seguimos pela rodovia em direção a Ingarpica.


Comentários