Traçando Roteiros pela América do Sul


Como se tornou um objetivo conhecer a América do Sul em toda a sua extensão, iniciei uma pesquisa sobre os lugares por onde poderia começar. Apesar de saber a maioria das cidades que seriam contempladas, estava difícil definir qual seria o roteiro definitivo. Porém o que influenciará na decisão do rumo a seguir, será  a viabilidade dos meios de transporte, os preços das passagens, hospedagens e passeios, além das circunstâncias que por ventura existam na ocasião.  Muito embora não será um roteiro rígido e mudanças poderão ocorrer, com relação a gastos, passeios ou rotas, afinal é justamente para ter a liberdade de ir e vir que tentarei fugir dos pacotes convencionais das agências.




Dos países sul americanos, o Chile tem o território mais estreito, com dois extremos magníficos: o norte, com o Deserto do Atacama, e o sul, com o Parque Nacional Torres Del Paine. Entre eles, lagos, vulcões, montanhas, praias e bonitas cidades, como Santiago, a capital. Esta, eu já tive o prazer de conhecer em setembro de 2002. Ver a Cordilheira dos Andes me deixou fascinada com tamanha exuberância! De Santiago a Valparaíso e Viña Del Mar, em pouco mais de uma hora e estava contemplando o Pacífico... Foi nesse momento que, pela primeira vez, ouvi falar na beleza dos gêiseres e me despertou o desejo de conhecer aquele deserto.

Na Argentina, o sul da Patagônia(veja aqui, aqui e aqui) estaria no roteiro e, provavelmente a lendária Rota 40. Mas há muito mais para conhecer...

Para a Bolívia não conseguia definir o sentido que seguiria a partir de Santa Cruz de La Sierra, pois até aí era provável que chegasse no famoso “Trem da Morte”. Pela internet encontrei uma agência que faz a reserva para esse percurso. Parecia ser confiável e seria prudente não arriscar chegar à fronteira e não conseguir passagem. A dúvida estava no rumo que deveria tomar na Bolívia, que sempre acreditei ser um país muito pobre, sem atrativos. Santa ignorância! Possui cidades históricas, como Sucre e Potosi, o fascinante Salar de Uyuni, maior deserto de sal da Terra, as belas lagunas coloridas, o lago navegável mais alto do mundo, o Titicaca, que é dividido com o Peru. Além de La Paz, sua capital e a mais alta do mundo.

Com tanto para se ver, seria melhor seguir para La Paz, via Cochabamba, chegar a Copacabana e daí entrar no Peru, ou seguir para Uyuni, passando por Sucre, Potosi e, atravessando o Salar de Uyuni, chegar ao Deserto do Atacama, entrando no Chile, como faz uma grande parte dos viajantes por aquelas bandas?

No Peru há muito para se ver! Machu Picchu, a cidade perdida dos incas é a maior atração, mais não é a única.  Há a histórica Cusco , Arequipa com suas construções branquinhas pelo emprego do “sillar”, uma pedra vulcânica. O enigma das linhas de Nazca. As Ilhas flutuantes de Uros, que são construídas com a totora, no Lago Titicaca. O Canyon Del Colca, um dos cânions mais profundos do mundo... Enfim, é beleza que não acaba mais! E lá irei eu...

Da Colômbia o que se houve falar é da violência desencadeada pelo tráfico de drogas. Mas sei que o país é muito mais que isso. Cartagena das Índias está lá, beirando o Mar do Caribe. La também se encontra Bogotá, a capital, e seu interessante Museu do Ouro.


Equador, o pequenino país que como o Chile não possui fronteiras com o Brasil, tem na sua exuberância natural, com seus diversos vulcões que enfeitam suas paisagens e a famosa Ilha de Galápagos os seus maiores atrativos. Mas vale ressaltar que o apreço do seu povo pela manutenção de suas tradições é charme a mais. E não custa nada lembrar, o "Chapéu Panamá" de Panamá nada tem. Pois é, esse famoso acessório é fabricado ali, no Equador.Então, por que não conhecer Quito e Cuenca


O Uruguai e o Paraguai etão ali, bem perto e talvez por isso um pouco esquecidos. Mas não ficarão de fora. Afinal gostaria de rever Montevidéu e Colônia do Sacramento, além de conhecer Assunção e algumas ruínas das Missões jesuíticas. 


A Venezuela chama atenção pelo que tem de natureza. O Monte Roraima e  o Salto Angel, a maior queda de água do mundo, estão no seu território, que apesar da conturbada política é um destino que não deve ser dispensado. Quando as coisas por lá se acalmarem, farei uma visita.

E como uma das melhores fases de um projeto é o planejamento, talvez a melhor, pois é o momento em que se pode tudo,  onde todos os lugares serão acessíveis e teremos toda a disponibilidade de recursos, nada melhor do que traçar roteiros mundo a fora. Bom,sonhar não custava nada... E enquanto o virtual não se transformava em real continuei planejando a primeira parte desse projeto. Apesar das possíveis dificuldades advindas e, conseqüentemente, mudanças que pudessem ocorrer, a América do Sul seria contemplada em momentos diferentes.

Partirei do Brasil para conhecer as belas paisagens dos nossos vizinhos continentais. Cenários diferentes de quaisquer outros lugares do planeta. Montanhas de picos nevados, desertos radicalmente áridos, vulcões, cânions, lagos, gêiseres explodindo da terra, praias paradisíacas, parques, sítios arqueológicos, cidades históricas, pequenos povoados indígenas, uma fauna e flora fabulosas, além  da miscelânea cultural de raças e etnias.

Decidi que o sul da Argentina e do Chile seria percorrido inicialmente. Em um momento posterior, outro rumo tomarei, chegará a vez da Bolívia, sul do Peru e norte do Chile. Por fim, num terceiro momento, norte do Peru, Colômbia, Equador, Venezuela e depois Paraguai e Uruguai.


ROTA 1:Patagônia Argentina e Chilena


Em 2009 viajei pela Patagônia Argentina e Chilena. Foi uma viagem inesquecível, não só pelas belezas naturais daquela magnífica região, mas também por ter sido um roteiro totalmente elaborado por mim  e que o fiz por minha própria conta e risco. Senti-me em êxtase frente à diversidade da fauna e flora, às paisagens exuberantes da montanhas nevadas e à cor dos lagos e rios que variava do verde esmeralda ao azul-turquesa. Ah, como sentir medo diante de tamanha beleza?




ROTA 2 - Caminhos Andinos


Chegou a oportunidade de retomar a meta de conhecer a América do Sul. Como estava no Amazonas e fazia alguns meses que tinha sido inaugurada a Rodovia do Pacífico, que liga o Brasil ao litoral desse oceano e atravessa os Andes, resolvi que a Rota 2 teria um traçado diferente do que havia estabelecido no início do planejamento do roteiro pela América do Sul. Entre outubro e novembro de 2011, percorri as terras onde surgiu uma das mais desenvolvidas civilizações, os incas.




ROTA 3 - Equador & Colômbia

Em 2013, durante 12 dias, tive a oportunidade de realizar mais uma etapa desse Projeto. Parti do Brasil para conhecer as belezas naturais do Equador e duas de suas cidades coloniais, que são Patrimônio da Humanidade. Na Colômbia a intenção nessa curta viagem foi conhecer um pouco da capital e o patrimônio artístico não só o deixado pelos povos pre-colombianos e exibido no Museu do Ouro, como também obras de períodos bem mais recentes como  as esculturas que encontramos na Catedral de Sal e as famosas pinturas de Botero.






Comentários