Viajando Pela Rota Maia


A História me fascina e viajar por lugares misteriosos e que requeiram um pouco de aventura me atraem. A Rota Maia tem tudo isso e muito mais. Eis os ingredientes que precisava para embarcar em uma nova aventura. Viajar para conhecer o que restou de uma civilização que se espalhou e floresceu por uma vasta região, ao longo de montanhas, florestas fechadas, lagos e praias, legando-nos estelas, cidades e pirâmides de pedras, ocupava um lugar de destaque na minha lista de desejos há um bom tempo. 






Mas o que vem a ser a ROTA MAIA?

Compreende estradas ou caminhos que nos levam a regiões que hoje pertencem ao México, Belize, Guatemala, Honduras e El Salvador, mas que em um passado distante formaram centenas de cidades construídas pelo povo maia. Portanto compreende um conjunto de destinos arqueológicos e históricos encontrados em uma vasta área da Mesoamérica que foi habitada pelos antigos maias por quase 3 mil anos e que alcançou seu apogeu no Período Clássico, entre 300 e 900 d. C.

A ideia de percorrer essa Rota era muito antiga, mas  a oportunidade surgiu em meados de 2014. Entre a decisão em ir e o início da viagem se passaram três meses, que foram utilizados nas pesquisas e planejamento. 

A viagem teve início na última semana de 2014 e se estendeu pelos primeiros 19 dias de 2015. Além das principais cidades da Rota Maia, no México, Guatemala e Honduras, a capital mexicana e a do Panamá também fizeram parte do roteiro.  Apesar de El Salvador e Belize serem países onde os maias fundaram algumas cidades e portanto fazerem parte da Rota Maia, não foram contempladas nessa viagem.


  • Planejamento
Livros e guias sobre o México e América Central foram a base das pesquisas, além de sites dos países e de outros viajantes que percorreram a região. Vale ressaltar que há poucas informações na internet sobre alguns trechos na Guatemala e especialmente sobre Honduras. 

Pela internet fiz a reserva de dois passeios na Cidade do México, mas como era em excursão local com todas as desvantagens de um grupo grande, desisti durante o primeiro tour(ficando na atração por minha conta) e cancelei o segundo, contratando um tour privado no hotel onde fiquei. Todos os outros passeios resolvi que faria por minha conta e utilizando os transportes que fossem mais adequados quando estivesse na cidade visitada e contrataria guia oficial na atração local.

  • Documentos Necessários
Passaporte que tenha pelo menos 6 meses de validade a contar desde o início da viagem, como também folhas suficientes para os carimbos de entrada e saída dos países.

Não há a necessidade de visto para permanência de turista por menos de 90 dias nos países visitados. Informações detalhadas e atualizadas sobre a necessidade de vistos e documentos para todos os países do mundo podem ser obtidas no site do Ministério de Relações Exteriores http://www.mre.gov.br/
.
  • Saúde e Vacinação
É recomendável a vacinação contra Febre Tifoide, Febre Amarela e Hepatite A, além das outras vacinas rotineiras para a idade. A malária é um problema em algumas regiões, como não existe vacina, ter os cuidados necessários de prevenção(repelentes, cortinados, etc). Evitar beber água de torneira e comer alimentos crus.

Na época do planejamento encontrei informações que diziam ser necessário o Certificado Internacional de Vacinação contra a Febre Amarela para entrar no Panamá. Até mesmo que já seria solicitado na hora do embarque pela Copa Airlines. No entanto, em momento algum me foi solicitado

  • Seguro Saúde
Não existe obrigatoriedade de um seguro de saúde para se visitar o México e os países da América Central. Mas como sempre faço ao viajar para fora do país, adquiri um com ampla cobertura da Assist Card.

  • Dinheiro
Serão quatro moedas diferentes a serem utilizadas. Peso Mexicano, Quetzal(Guatemala), Lempira(Honduras) e Dolar (Panamá, que tem sua própria moeda, o Balboa, com valor igual ao dolar).

  • Idioma
Em todos os países o espanhol é o idioma oficial. No entanto em algumas área do México se fala náuatle (azteca) e dialetos maias. Na Guatemala é frequente a comunicação em dialetos maias. Em Honduras, como é pouco o que restou dos maias isso não ocorre. Na Cidade do Panamá, por conta da presença norte americana no país até recentemente, muitos se comunicam também em inglês. O que também ocorre com praticamente todos os que estão envolvidos com atividades turísticas.

  • Deslocamentos
Aéreo
Todas as passagens aéreas internacionais foram compradas através do site da Decolar.com. O valor é maior do que se fizesse direto com a companhia aérea, porém optei por conta da praticidade e rapidez no uso do buscador, já que seriam rotas entre  quatro países e consequentemente, empresas diferentes. 

São Paulo=>Cidade do Panamá=> Cidade do México(Copa Airlines)

Cidade do México=> Cancun (Aeroméxico)
Santa Helena/Flores=>Cidade da Guatemala(Avianca)
Tegucigalpa=>El salvador=> Cidade do Panamá(Avianca)
Cidade do Panamá=> Recife(Copa Airlines)

A passagem de Recife para São Paulo foi comprada no site da Gol.


Terrestre
O deslocamento na Península de Yucatan e Chiapas, no México, seria feito em ônibus ou shuttles. Apesar de existirem várias empresas de ônibus, a mais conhecida e com melhores veículos é a A.D.O. No entanto o site não permite a compra dos bilhetes em outro país, mas da para se ter uma ideia dos horários e rotas.

A viagem entre Palenque e Flores seria providenciada in loco, através de alguma agência de turismo. Só sabia que teria que ir até a Frontera Corozal(México),onde pegaria um barco para atravessar o Rio Usumacinta até a outra margem, que já é Guatemala, e de lá seguir em algum transporte até a cidade de Flores. Dali através de taxi ou coletivo seguiria para Tikal. Veja aqui como foi essa travessia.


Durante as pesquisas pela internet, encontrei um site de empresa de ônibus- ADN - que possui rota entre Flores e Tikal, porém o horário de saída não serviria para mim.

*Algumas informações sobre a possibilidade dessa travessia aqui

Para ir do aeroporto da Cidade da Guatemala até Antígua e desta até Panajachel, fiz a reserva de um transfer pelo site da Atitlan Tours. A mesma empresa também foi a responsável pelo meu transporte de retorno a Cidade da Guatemala, a partir de Panajachel.

Pela internet comprei as passagens de ônibus na empresa Hedman Alas, entre Cidade da Guatemala e Copán Ruínas(Honduras) e daí para Tegucigalpa.


  • Hospedagens
Locais e dias definidos, o próximo passo foi providenciar as hospedagens. Para isso utilizei o site do Booking e Decolar

Para a escolha dos hotéis elegi alguns critérios: proximidade da atração de interesse(neste caso, as ruínas das cidades maias) ou em zona hoteleira de fácil acesso, conforto razoável e principalmente segurança. Portanto foi um custo-benefício mediano. 


México

Cidade do MéxicoNH Mexico City Reforma
Tulum: Hotel Gaya 
Chichen Itzá: Hotel & Bungalows Mayaland
Mérida: Best Western Maya Yucatan
PalenqueHotel Chan Kah Centro

Guatemala
Tikal(Parque): Hotel Jungle Lodge Tikal
FloresHotel Petén
Antígua: Hotel Convento Santa catalina
Panajachel: Hotel Utz Jay
Cidade da Guatemala: Mercure Guatemala Casa Veranda

Honduras

Copan Ruínas:Hotel Camino Maya
Tegucigalpa: Hotel y Casino Excelsior

Panamá

Cidade do Panamá: Novotel Panamá City

Algumas observações sobre os hoteis(veja aqui)


  • O Roteiro(veja aqui)
Para conhecer tão vasta região, muitas vezes de acesso difícil, se requer tempo, recursos financeiros e uma logística adequada. Mas é possível visitar os locais mais importantes em duas a três semanas.

Dessa forma priorizei o México, a Guatemala e Honduras. O sentido da rota poderia ser qualquer um, porém achei melhor começar pelo México, onde já teria um panorama das várias civilizações que floresceram pela Mesoamérica. Para isso alguns dias na moderna e dinâmica Cidade do México me dariam a oportunidade de não só conhecer os templos e palácios deixados pelos astecas, mas também desfrutar do maravilhoso Museu Nacional de Antropologia, que reúne um grandioso acervo dos principais grupos pré-colombianos que ocuparam aquela região, entre eles Olmecas, Zapotecas, Teotihuacan, Maias, Toltecas e Astecas.

No México, além da capital, entraram no roteiro: Tulum, Chichen Itzá, Mérida e Palenque.


Na Guatemala seriam visitadas, Tikal, Antígua, Panajachel e cidade da Guatemala.


Em Honduras, Copán e Tegucigalpa.


Como não há voos diretos da América Central para o Brasil, com exceção do Panamá, aproveitei a oportunidade e resolvi finalizar essa aventura nesse país, de onde pegaria um voo direto para Recife.


Dia 1  Brasil(Recife=>São Paulo)-Cidade do México(conexão no Panamá)
Dia 2  Cidade do México
Dia 3  Cidade do México
Dia 4  Cidade do México
Dia 5  Cidade do México
Dia 6  Cidade do Máxico => Cancun => Tulum
Dia 7  Tulum => Chichen Itzá
Dia 8  Chichen Itzá
Dia 9  Chichen Itzá => Mérida
Dia 10 Mérida
Dia 11 Mérida
Dia 12 Mérida => Palenque
Dia 13 Palenque
Dia 14 Palenque => Flores => Tikal
Dia 15 Tikal => Flores
Dia 16 Flores => Cidade da Guatemala => Antígua
Dia 17 Antígua => Panajachel
Dia 18 Panajachel
Dia 19 Panajachel => Cidade da Guatemala 
Dia 20 Cidade da Guatemala
Dia 21 Cidade da Guatemala => Copán
Dia 22 Copán => San Pedro Sula => Tegucigalpa
Dia 23 Tegucigalpa
Dia 24 Tegucigalpa=> Cidade do Panamá(conexão em El Salvador)
Dia 25 Cidade do Panamá
Dia 25 Cidade do Panamá => Recife


Por onde andei:

Fronteiras:
Guatemala - Honduras


Referência Bibliográficas


Impressões
  • Guatemala



























Embora tenha sofrido com ditaduras militares e guerrilhas que arrastaram o país em mais de 30 anos de guerra civil, a Guatemala se mantem viva no colorido da cultura maia e nas suas exuberantes paisagens. Vale a pena conhecer esse povo que nos brinda com sua surpreendente amabilidade, como também as belezas naturais do país onde lagos, florestas, vulcões e montanhas dão um toque especial às suas paisagens.

Comentários