Museu do Ouro



Um dos principais motivos que me despertaram o interesse em conhecer Bogotá foi, sem dúvida, o Museo del OroAli se tem a oportunidade de conhecer a história da metalurgia nas sociedades pré-hispânicas que se desenvolveram no território da atual Colômbia.








                      
O acervo está distribuído em espaços denominados:
  • O Trabalho com os Metais: onde se explica a técnica de mineração, benefício e manufatura utilizada pelos povos antigos, que transformavam os recursos da natureza em obras de arte. Há uma saleta onde um vídeo mostra a história da descoberta e do uso dos metais até os nossos dias.
  • A Gente do Ouro na Colômbia Pré-hispânicaÉ o espaço onde se procura demonstrar a geografia, o contexto histórico, político e religioso das culturas que viveram em todo o território colombiano antes da chegada dos espanhóis e a importância dos metais, especialmente o ouro, em suas vidas.
  • Cosmologia e Simbolismo: Espaço onde são demonstrados os aspectos míticos, a importância do xamanismo e a simbologia dos metais para as diversas culturas. É onde estão as obras primas do acervo do museu.
  • A Oferenda: Uma sala escura no terceiro piso, seis vitrines expõem objetos de oferendas nos mostrando a importância dos mesmos nos rituais onde se dava a conexão entre os xamãs e os deuses. Tudo ao  som de músicas especiais e jogo de luzes.
  • O exploratórioatravés de maquetes, vídeos, mapas, fotografias e outros recursos é promovida a interação do público com o acervo.
                                                    
A ourivesaria e os demais objetos expostos estão distribuídos em vitrines de forma tal que nos dão a impressão de estarem suspensos no ar. A iluminação produz um tom amarelado que nos remete permanentemente à cor do ouro.
A coleção do Museu do Ouro foi iniciada em 1939 pelo banco de la Republica  e hoje, com mais de 34 mil peças, tem a proposta de lançar as luzes sobre a vida social e cultural dos grupos humanos que viveram na Colômbia desde 2.000 anos a. C até a época da conquista espanhola. 
É considerada a mais completa coleção de artefatos em ouro que foram produzidos pelas civilizações pré-hispânicas. Não é a toa que ao chegarem no continente, no século 16, os espanhóis tiveram a sua cobiça despertada pelo mito do Eldorado e partiram em expedições em buscas das cidades que eram cobertas de ouro.
O Eldorado nunca foi encontrado e sim povos que utilizavam peças de ouro no seu dia a dia, já que o considerava um metal sagrado. Seguiu-se o que se esperava, os espanhóis saquearam o que puderam. No entanto muitas dessas peças conseguiram ser recuperadas e hoje podemos encontra-las no magnífico museu.
Os objetos de ouro não eram considerados símbolos de riqueza material. Para eles era um metal sagrado que recebia a energia do sol, considerado um deus, fonte de energia e fertilidade na cosmogonia dessas sociedades. Portanto era sinônimo de prestígio e servia de oferenda. 
Cabia ao chefe da tribo estabelecer o contato com seres dos outros mundos e para isso utilizavam adornos como narigueiras, brincos, colares e roupas confeccionadas com esse metal.
 
No Museu também estão expostas peças em cerâmica, pedra, contas e conchas marinhas.
 
 


Serviço
Onde:  Na esquina da Calle 16 com a Carrera 6, em Bogotá.
Quando: 3ª a sábado ( 9 às 18h). Dom. (10 às 16h). Fecha às 2ª.
Quanto:$ 3.000 (pesos colombianos). valor em 2013.

 Fachada del Museo del Oro en Bogotá
Foto: Divulgação do site do Museu

Comentários