Jardim da Luz

Parque e jardim público de 113.400 m² de área, foi originalmente um jardim botânico inaugurado no início do século 19. O espaço foi criado ainda no período colonial, quando a Coroa Portuguesa instituiu a criação de hortos pela cidade. Para a elite das primeiras décadas do século 20 servia como local de festas, ponto de encontro, apresentação teatral, balés e eventos públicos. Mas na segunda metade desse mesmo século, passou por um longo período de abandono e degradação, ponto de prostituição e tráfico de drogas.

Nos últimos anos, com a política  de revitalização desenvolvida pelo Governo do Estado de São Paulo, passou a ser um agradável espaço de lazer, com a instalação de esculturas e a conservação da flora local.


Durante a restauração  do Parque, um aquário subterrâneo foi descoberto e se tornou ponto de visitação, com mais de 13 tipos de peixes.

Aos sábados e domingos funciona o Bosque da Leitura, serviço para adultos e crianças com os principais jornais do dia e revistas semanais.
Apesar de ser uma agradável área de lazer para todas as idades, é fato que  não   deixou de ser "ponto de encontro". Mas, pelo menos, o movimento é discreto.

Com a reforma da Pinacoteca, o museu de arte mais antigo da cidade e que tem a sede localizada no parque, a inauguração do Museu da Língua Portuguesa (localizado em frente ao Parque), além do maior policiamento da área,  houve uma maior valorizando a região.


Andar pelos caminhos sob a sombra das diversas árvores se torna um aprazível refúgio que nem de longe lembra que estamos na maior e mais agitada cidade do país. Você pode fazer isso após ter feito uma visita à Pinacoteca e ter saboreado um cappuccino na sua cafeteria, que tem suas portas voltadas para o arborizado parque.


Se quiser continuar com o passeio cultural, basta atravessar a avenida e já se tem a frente o Museu da Língua Portuguesa.

Uma outra opção é  sair pelo portão de trás e seguir pela rua Afonso Pena até a altura da Igreja de Nossa Senhora Auxiliadora. De lá, dobrar à direta e seguir em frente, até a praça Cel. Fernando Prestes e no Batalhão Militar, visitar um delicado Jardim Japonês. 


Dali, pela passagem subterrânea da Estação Tiradentes (metrô), chegar na saída que fica próxima ao Museu de Arte Sacra, localizado no prédio do Mosteiro da Luz, fundado em 1774 por Frei Galvão (o primeiro santo brasileiro) e considerado a mais importante construção arquitetônica colonial do século XVIII em São Paulo, e finalizar o dia com uma visita, onde se pode ver um dos mais representativos acervos do patrimônio sacro brasileiro. São cerca de 4 mil peças provenientes das principais igrejas e capelas brasileiras, dentre elas a coleção de lampadários que só é menor que a dos Museus Vaticanos.




Comentários